Como as crenças limitantes influenciam a sua vida

postado em: Blog, Destaque | Comments

O que são crenças limitantes:

Antes de entender sobre crenças limitantes é preciso entender o que é uma crença. As crenças são tudo aquilo que consideramos como verdade em nossa vida, em relação a todos os setores, inclusive tudo aquilo que pensamos e acreditamos ser verdade sobre nós mesmos. É tudo aquilo que, independente do motivo, concluímos ser verdade sobre algo, seja ouvindo uma opinião externa, vendo, sentindo ou vivenciado algo que, de alguma forma, o levou a uma certa conclusão, se tornando uma verdade absoluta sobre algo ou alguém.

Isso é algo que ocorre ao longo de nossas vidas, devido às situações que vivenciamos e como reagimos a elas, devido às diversas experiências que passamos desde a nossa infância, tudo o que ouvimos e vemos as pessoas a nossa volta falando, vivenciando e como elas reagem as mais diversas situações que passam e ouvimos suas opiniões sobre essas experiências.

Ouvimos também tantas opiniões sobre nós que acabamos nos perdendo no meio dessas afirmações, mesmo que não sejam verdadeiras ou não estejam de acordo com nosso verdadeiro eu, podendo chegar um ponto onde não sabemos mais o que é verdadeiro ou não, ou o que é uma opinião nossa ou externa, etc. O que poderá influenciar no modo como nos definimos e no que pensamos sobre nós mesmo. Por conta disso, as pessoas ao nosso redor passam a influenciar positiva ou negativamente a nossa vida e as nossas opiniões, podendo influenciar nossas crenças, formando os modelos mentais que influenciam no modo como vemos a nossa realidade, nas nossas percepções sobre o mundo e sobre as nossas experiências, que não necessariamente correspondem à realidade, isso influencia nossos comportamentos e nossas reações diante dos diversos acontecimentos de nossa vida.

Como elas influenciam a sua vida:

As nossas crenças influenciam no que pensamos, sentimos e fazemos, e isso moldará a nossa realidade. Lembre-se de que tudo é energia, inclusive as nossas crenças, que são como “formas-pensamentos” que ficam dentro de nós, e lutam para se manter vivas, atraindo pensamentos, sentimentos e acontecimentos que irão fazer com que a gente alimente-as, gerando acontecimentos e comportamentos que farão com que a gente acredite cada vez mais nessas crenças, tornando-as reais, mesmo que não sejam, moldando a nossa realidade.

Por exemplo, se você ouviu ao longo de sua infância de que dinheiro é difícil de conseguir, poderá crescer acreditando nisso, se afastando da prosperidade ao atrair acontecimentos, empregos e situações que confirmarão essa crença através de seus comportamentos, escolhas e pensamentos, tendo dificuldades para conseguir dinheiro, e o mesmo serve para outras áreas de sua vida. Se acredita que relacionamento é difícil, de que é difícil ser feliz, de que família e carreira não combinam e etc, a sua mente sempre atrairá situações que irão manter a crença ativa e viva. E para as coisas boas também funcionam da mesma forma, se você tem diversas crenças positivas elas também irão lutar para se manter vivas, irão atrair acontecimentos positivos e prósperos para a sua vida, confirmando essa crença. Se você cresceu ouvindo que seus esforços valem a pena, de que pode ser feliz, de que vale a pena lutar pelos seus sonhos, de que é possível ser próspero, ter um relacionamento saudável e etc, suas crenças irão atrair acontecimentos que irão confirma-las, irão influenciar positivamente seus comportamentos, pensamentos, sentimentos e escolhas que irão moldar a sua realidade desta forma.

Isso ocorre pois as nossas crenças influenciam no modo como reagimos aos acontecimentos ao nosso redor, e essas reações irão influenciar os resultados e moldarão outros acontecimentos e, consequentemente, a nossa realidade, que será compatível com essas crenças, que, quando negativas, são chamadas de crenças limitantes, pois limitam e influenciam o nosso modo de ser, a nossa vida e influenciam nos resultados do que fazemos por influenciar o nosso modo de pensar e agir. São elas que fazem com que a pessoa faça algo que depois se arrepende ou não entende o motivo de ter feito determinada coisa, não se reconhecendo em suas escolhas, pensamentos e em seu modo de ser, por pensar e fazer muitas coisas que não condizem com quem realmente é.

Isso vira uma bola de neve, quanto mais agimos de acordo com as crenças limitantes, mais situações negativas acontecem em nossas vidas e mais forte essas crenças ficam, passamos a ter uma imagem errada sobre nós e sobre a vida, de acordo com essas crenças, trazendo os pensamentos repetitivos, tristeza, frustração e isso acaba sabotando a nossa autoestima, sabotando um comportamento que a gente normalmente teria se não fosse essa crença, caindo sempre em velhos padrões comportamentais negativos, agindo impulsivamente. Se a pessoa não se dá conta disso, passa a não perceber que não está sendo ela mesma, perdendo referência de quem ela é verdadeiramente, como uma nuvem que tampa a visão da realidade, não percebendo a realidade como ela é. Por não reconhecer o que está limitando sua vida, passa a não corrigir isso, a não modificar esses velhos padrões negativos.

Por isso o autoconhecimento é importante, por auxiliar no reconhecimento de pensamentos, reações e comportamentos em nosso dia-a-dia, na forma como lidamos com os acontecimentos, e na forma como nos relacionamos com as coisas pessoas que não são nossos, no sentido de não serem de acordo com a nossa verdadeira essência, o nosso verdadeiro Eu. Conforme vamos nos conhecendo e nos desenvolvemos, vamos reconhecendo essas crenças e gradativamente vamos trabalhando cada uma delas, substituindo-as com padrões mais positivos.

Como se libertar de crenças limitantes:

Por isso, o primeiro passo é identificarmos essas crenças limitantes através de uma observação interna, fazendo uma reflexão sobre nossa vida, sobre a nossa infância e sobre o ambiente no qual crescemos e estamos neste momento. Reserve um momento de seu dia, pensando em um setor que precisa melhorar em sua vida ou um objetivo que você queira alcançar e procure lembrar do que ouviu ou vivenciou em sua infância que possa ter uma relação com isso, por exemplo se você dificuldade em prosperar ou de juntar dinheiro, procure refletir sobre o que você pensa sobre o dinheiro, e depois tente se lembrar do que ouviu sobre o dinheiro em sua infância, como foi a vida financeira de seus pais, avós e bisavós e reflita sobre a visão deles sobre o dinheiro, se era positiva ou negativa. Observe o que a sua religião fala sobre o tema, assim como o que as pessoas ao seu redor pensam sobre o tema. Identifique se você tem uma visão positiva ou negativa sobre o dinheiro e reflita sobre como isso passou a fazer parte de suas crenças.

Outro exemplo, se a pessoa sempre ouviu coisas negativas sobre relacionamento, que homem ou mulher não presta, que casar ou se relacionar não é para qualquer um, ou até mesmo, se seus pais tiveram problemas no relacionamentos, com históricos de brigas, violência, separação, traição e etc, pode ser que cresça tendo medo de relacionamento, com bloqueios para se abrir, medo de se machucar, de ter um mesmo padrão de relacionamento, ou até mesmo poderá, inconscientemente, achar que esse é o normal de um relacionamento ou até mesmo sempre atrair esse mesmo tipo de relacionamento, repetindo os mesmo padrões e acontecimentos, mesmo que não se dê conta disso, tendo dificuldades em romper esse ciclo ou não tendo um relacionamento saudável, duradouro e feliz.

As crenças que adquirimos, poderão ser:

  • Pessoais: São adquiridas através das vivências e experiências pessoas, poderão estar ou não relacionadas com as crenças hereditárias ou sociais, mas como diferença é que aqui elas passaram a se tornar verdade para a pessoa após uma vivência ou experiência direta. Por exemplo, ao sofrer um trauma em um relacionamento, poderá acreditar que todos serão da mesma forma, ou poderá ter sido mandada embora de um emprego podendo ter uma visão negativa do trabalho bloqueando a prosperidade, pode ter sofrido um acidente de carro e passou a ter medo de dirigir, etc.
  • Hereditárias: São aquelas adquiridas através de nossos ancestrais, de nosso sistema familiar. Normalmente são as quais entramos em contato durante a nossa infância, que passam a influenciar o nosso modo de pensar através do que ouvimos de nossos pais, de suas opiniões, contos relacionados às experiências pessoais deles e de nossos ancestrais. As criticas de nossos pais e familiares também entram neste tipo de crença, onde passam a criticar a nossa conduta, nossos comportamentos, colocando crenças ao falar algo como “você nunca vai ser feliz assim”, “você nunca vai dar conta de sua vida assim”, “ninguém vai gostar de você assim”, “dinheiro não cai do céu”, “dinheiro não traz felicidade”, “você nunca faz nada direito”, “você é incompetente”, “você não merece isso”, etc. Conforme vamos crescendo e ouvindo essas afirmações, vamos guardando cada uma delas, principalmente aquelas que ouvimos com maior frequência, que passam a influenciar mais, mesmo que de forma inconsciente.
  • Sociais: São as crenças e verdades impostas pela cultura local, pela mídia e sociedade como um todo. São as crenças em comum de uma região, de uma religião e das pessoas próximas com as quais a pessoa cresceu mantendo contato. A pessoa cresce ouvindo opiniões e afirmações vinda da mídia, dessas pessoas, do mundo da moda que impõem um padrão de beleza, dos líderes religiosos de sua religião, através do contato com essas crenças e afirmações, que passam a influenciar de forma consciente ou inconsciente no seu modo de pensar, e consequentemente, suas crenças pessoais. Aqui se enquadra os costumes e hábitos da sociedade, as regras de condutas sociais, as afirmações e frases como “é mais fácil um elefante passar no buraco da agulha do que um rico entrar no céu”, “dinheiro não trás felicidade”, “nessa cidade ou país ninguém prospera”, “esse país não muda”, “é impossível prosperar nesse país”, “essa cidade é muito perigosa”, etc. Além de outras afirmações que, fazem com que a pessoa crie uma opinião ou verdade absoluta sobre algo sem necessariamente ter vivenciado, essa verdade ou afirmação é baseada nessa opinião ou crença externa e não necessariamente em uma vivência pessoal, pode ou não ser real.

    Como elas atuam na sua vida:

E a pessoa cresce em contato com essas crenças que passam a influenciar e limitar seu modo de ser, seu modo de agir e reagir, que deverá estar de acordo com essas crenças externas. As que mais influenciam são aquelas ouvidas e vivenciadas ao longo da primeira infância, que são determinantes durante a sua formação, que influencia no modo como a pessoa vê o mundo, o outro e si mesma, visto que, por ainda não ter uma opinião formada sobre o mundo, passa a ter como referência essas crenças, principalmente vinda dos pais, que é a principal, se não única, referências nesta fase, passando a exercer uma grande influência no modo de pensar, agir e reagir diante das diversidades do mundo. A pessoa cresce sem o costume de questionar as afirmações e imposições de outras pessoas, sem questionar as suas crenças ou o que é verdadeiro ou não, no que ela realmente acredita, pois não saber que poderia fazer isso ou sem saber dos impactos negativos que isso pode gerar com o tempo.

Quando a visão dos pais é muito negativa, ou quando há muitos obstáculos e dificuldades na infância, há uma grande chance da pessoa crescer tendo uma versão pesada e negativa em relação ao mundo, em relação a si e aos outros. Passa a crescer com diversas crenças limitantes que irão moldar de forma negativa seu modo de ser, modo de agir e ver o mundo inconscientemente, limitando seus pensamentos e no modo de como expressa suas capacidades.

Essas crenças limitantes passam a influenciar, limitar e bloquear diversos setores de nossas vidas, tendo dificuldade em prosperar, problemas de saúde, problemas pessoais, dificuldades nos relacionamentos, de se impor diante de uma situação, no modo como lida com as dificuldades do dia-a-dia.

As crenças são como verdades absolutas para a pessoa, ela nem imagina que poderá questioná-las por ter crescido em contato com elas, ouvindo-as repetidamente que passou a fazer parte de si despercebidamente. A pessoa passa a repeti-las inconscientemente e impulsivamente através de suas palavras, modo de pensar, agir e reagir, sem questionar ou pensar ou refletir se aquilo condiz com a sua essência, de seu verdadeiro eu.

Após o reconhecimento desses padrões negativos, a pessoa precisa romper com essas crenças negativas, procurando meios para mostrar para si que aquilo não é verdadeiro, pesquisando, questionando, refletindo sobre o tema, ou até mesmo, forçando agir de uma forma diferenciada, experienciando outras formas de ser, até encontrar aquela que seja compatível com sua essência, com sua verdade e seu caráter. Então, se quiser mudar precisa escolher a mudança, pois é tudo uma questão de escolha. Ou seja, é preciso escolher ser livre dessas crenças e hábitos impulsivos ou limitantes, escolher que pode mudar.

Se você quer algo em sua vida, é preciso acreditar nisso, mesmo que as pessoas sempre falaram que não seria possível, mesmo suas crenças e experiências passadas tenham mostrado que não. Rompa com as limitações dessas crenças, saia da zona de conforto, experimentando outros caminhos, teste e experimente até encontrar o melhor caminho para você.

A importância de reconhecer e transformar essas crenças limitantes:

Tudo isso, de certa forma, acaba limitando nosso modo de ser, limitando nosso poder pessoal, além de virar uma espécie de bola de neve, por exemplo, ao termos um trauma ou medo em fazer algo que possa dar errado gerado por uma experiência frustrada na infância, nosso ou de nossos pais, que poderá fazer com que esse medo influência na hora de tentarmos novamente, podendo fazer com que isso dê errado novamente, gerando frustrações e alimentando a crença de não sermos capazes, e não tentamos novamente achando que é o único resultado possível. Além das situações reais de erros e frustrações, podemos ter ouvido ao longo de nossa vida que não somos capazes de fazer uma determinada coisa, de que conseguir ou fazer isso ou aquilo é difícil, etc. Tudo isso gera e influência as chamadas crenças limitantes, já gerando um sentimento de negatividade, de frustração, de não acreditar que determinada coisa irá dar certo, mesmo antes de ter começado ou tentado.

Ao identificar essas crenças se torna possível reconhecer esses padrões comportamentais, de pensamentos e essas influências que acabam atrapalhando a fluidez de sua vida, e o primeiro passo para conseguir realizar as modificações necessárias é justamente reconhecer o que precisa ser modificado, para depois ir se trabalhando gradualmente.

E como identificar?

Segue agora umas dicas que poderão ser úteis.

Pense em um objetivo, algo que você gostaria de fazer em sua vida e reflita sobre os seus pensamentos em relação à isso, reflita sobre tudo o que ouviu falar sobre isso em sua vida, como foram suas experiências passadas em relação a isso, experiências de seus pais, se tiveram sucesso ou fracasso, refletindo sobre a opinião deles em relação ao tema, adaptando tudo de acordo com o assunto ou com o seu objetivo para te ajudar a ter uma visão geral sobre suas crenças, identificando as influências negativas.

Exemplo de pensamentos e frases que podem criar essas crenças são aqueles como:

  • Não tenho tempo para isso, não tenho tempo para nada, etc.
  • Não tenho disciplina para fazer isso ou aquilo.
  • Isso não é para mim, não mereço determinada coisa.
  • Eu esqueço tudo, sou muito esquecido, não consigo estudar, não consigo me concentrar, etc.
  • Não encontro um relacionamento bom, não fui feito(a) para casar ou para me relacionar, etc.
  • Casamento é difícil, casamento / relacionamento só dá dor de cabeça, etc.
  • Não consigo me curar, tratar essa doença é complicado, demorado, etc.
  • Não consigo seguir uma dieta, não consigo perder peso, só engordo, comida saudável é ruim, é mais cara, mais difícil de fazer, etc.
  • Não consigo manter uma rotina saudável, manter uma rotina saudável não é para mim, etc.
  • Tudo o que tento dá errado, se eu falhei quer dizer que não é possível, quer dizer que não sou bom nisso ou nunca vou conseguir, etc.
  • Sou muito azarado, não tenho sorte, fulano conseguiu isso porquê tem sorte, etc.
  • Do jeito que está, está bom.

Esses são apenas alguns exemplos, utilize-os como forma de ir pensando e avaliando seus pensamentos e as coisas que ouviu ao longo de sua vida, principalmente aquelas dentro do ambiente familiar. Pegue um momento de seu dia, escolha um objetivo e comece escrever tudo o que pode estar relacionado com ele, tudo o que pode influenciar, incluindo todos esses pensamentos que podem surgir. Sinta como você se sente em relação a esse objetivo, se perguntando se você acredita que consegue realizar, independente do sim ou não, anote os motivos, se pergunte o motivo de ainda não ter realizado ou o porquê você acredita que não consegue alcançar sua meta (se for o caso, claro), observe em seu ambiente familiar e veja se essas pessoas tinham algum pensamento em relação à isso, seja positivo ou negativo, e anote. Acredito que com isso encontrará muitas coisas a favor e contra seu objetivo, tudo aquilo que influencia negativa ou positivamente as suas crenças em relação a isso, se perguntando o como isso pode ter passado a ter feito parte de sua vida, quando e o como passou a pensar desta forma.

Após essa fase, anote ao lado de cada uma delas uma afirmação positiva, algo que irar contrapor essa crença, um pensamento que servirá para substituir essa afirmação negativa. Anote ao lado exemplos de pessoas que conseguiram realizar isso ou algo parecido, colocando informações palpáveis do como isso é possível, para que você se convença disso, mostrando para a suas crenças que elas estão erradas. Além disso, comece a ver as situações onde fracassou de uma outra forma, de uma forma positiva, refletindo sobre o que aprendeu com a experiência, o que ela pode te mostrar e como poderá crescer com isso, pois no mínimo, essa experiência negativa te mostrou algo novo, mostrou o que não serve para você, o que não fazer mais ou que caminho não seguir.

O importante é colocar em mente que precisa encontrar um mecanismo de provar para si mesmo de que é capaz de realizar isso, de que pode sim, conquistar esse objetivo ou fazer determinada coisa. Quando isso ocorrer as crenças negativas começarão perder força gradativamente, dando espaço para as crenças positivas.

Texto escrito por Rogério Sanches Buso – Escritor, desenvolvedor de consciência e terapeuta holístico.